segunda-feira, 5 de maio de 2014

INTERNAUTA ALERTA SOBRE DESTRUIÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE VICÊNCIA

O TEXTO A SEGUIR É DE RESPONSABILIDADE DO AUTOR E NÃO REPRESENTA A OPINIÃO DO BLOG. TEXTO MANTIDO NA ÍNTEGRA.


MAIS OUTRA PARTE DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE VICÊNCIA DESTRUÍDO
           
Por: José Edinilson Costa (Nilsinho)*
            
No dia 27/03/14 ouve mais uma reunião do conselho de politicas culturais de Vicência. O tema principal abordado foi sobre a liberação para a modificação da frente de mais uma casa histórica na Rua Vigário Rêgo, onde é denominado como sítio histórico de Vicência. O fato desagradou bastante nós, os membros do conselho e também outras pessoas com visão e educação patrimonial; entre elas: professores, artistas, estudantes de engenharia, de arquitetura, intelectuais, etc. Há bastante tempo, essas descaracterizações vêm sendo alvo de criticas até por membros do IPHAN, EMPETUR e FUNDARPE; preocupados com o enfraquecimento do potencial turístico do município e até do estado. A destruição da parte desta casa foi iniciada em um domingo, talvez para driblar as fiscalizações. Na segunda-feira fui informado, denunciamos ao fiscal de obras (Zezinho Calixta) que embargou a mesma; mas posteriormente foi liberada pelo nosso prefeito Dr.Paulo, que antes deveria consultar o conselho, que é composto por gente capacitada e com ideias que possivelmente solucionariam o problema da melhor maneira possível, causando um menor impacto na fachada mencionada.
             
A ideia de um projeto de preservação do patrimônio arquitetônico de Vicência foi iniciada pela ex-prefeita Dr.Eva. Em seu mandato, foi feito um estudo por especialista que descobriram o potencial turístico que tinha o município, porém o projeto não teve continuidade na gestão seguinte (Zezinho Tinin) e ouve várias destruições destes patrimônios, porém nós defensores não paravam de cobrar; mas só em 2011(antes tarde do que nunca) na gestão de Dr.Paulo, foi baixado um decreto municipal nº 26/2011, proibindo a modificação das fachadas com influências das qualidades artísticas da arquitetura colonial, imperial ou republicana na cidade, distrito e zona rural. Meses atrás nós do conselho de cultura finalizamos a elaboração do projeto de tombamento, sendo acima do decreto, o mesmo foi enviado para a câmara de vereadores para a votação. Em conversa sabe-se que a maioria dos vereadores é a favor do projeto, mas o mesmo foi arquivado, dizem que foi para não desagradar o vereador aliado Josenildo Amorim que foi contra o projeto. Posteriormente Amorim alegou que poderia perder os seus bens. O projeto é bem claro: não tomar nada de ninguém nem proíbe vendê-los, proíbe sim descaracteriza-los. Apesar da proteção do decreto, o tombamento que vem acontecendo é o sinônimo de queda (tombo), destruição... o problema é que a maior parte da população incluindo parte dos políticos não dão a importância merecida quando se trata deste assunto; muita gente o vê como atraso de progresso, como se os países mais desenvolvidos do mundo não tivessem seus sítios históricos, que por sinal são protegidos por unhas e dentes; tanto nas grandes metrópoles quanto nas médias, pequenas cidades e lugarejos. A mídia (TV, revista, jornais, internet, etc.) está sempre mostrando esses patrimônios; mas a mente arcaica de muitos não captam tais informações. Aqui no Brasil temos várias cidades com suas partes históricas preservadas: Olinda, Igarassu, Goiana, Recife João Pessoa, Salvador, Ouro Preto, São Luís do Maranhão, entre outras. Nenhuma foi impedida de progredir, e seus comércios funcionam normalmente; sem modificar e nem transformar suas fachadas semelhantes a portas de garagens e com enormes placas cobrindo o resto dos vestígios (se sobrar vestígios) das belas arquiteturas do passado. Aqui em Vicência até muitos serviços que são feitos nessas casas, são de péssima qualidade, é como se botassem quebradores de pedra para lapidar diamantes. Brevemente nós do conselho iniciaremos uma campanha de educação patrimonial.
            Orgulhosamente, Vicência atualmente tem um conselho de cultura (que são voluntários) constituído com várias pessoas competentes e com planos importantes para o fortalecimento do turismo no município. Seus conhecimentos incluem: projetos culturais, tombamentos, construção civil, restaurações, meio ambiente, desenhos, pinturas, esculturas artesanatos, música, comunicação, etc. Sua fama já se estendeu por outros municípios que tem uma preservação bem mais avançada que a nossa, pedindo até ajuda a membros destes. Ironicamente o nosso município parece desconhecer a competência do mesmo; sem consulta-lo quando deveria.


* Edinilson é um defensor do patrimônio cultural e meio ambiente. É produtor cultural, mas trabalha com várias outras coisas, sendo uma boa parte a arte; que inclui: desenho, pintura, escultura, restaurações de várias coisas, artesanato, etc.



0 comentários:

Postar um comentário

LEIA AGORA NO VICENCIANET.
Todo mundo gosta. Todo o mundo acessa.